terça-feira, 9 de junho de 2015


Está nos jornais de hoje que a produção de veículos é a menor para este mês desde 2005, vemos também muitas fabricas de férias, outras paralisando suas atividades, algumas demitindo e outras até fechando suas portas.

E o por quê disso tudo?

Isso tudo porque o governo vem há anos promovendo politicas erradas e agora adota medidas que fazem com que as pessoas percam seu poder aquisitivo e tenham medo de gastar seu dinheiro em bens que não tenham tanta necessidade no momento.

Não é só a indústria de veículos que está sofrendo, todos os tipos de indústrias estão sofrendo, desde a que produz geladeira, fogão até a que produz caminhão e carros.

Com certeza logo logo esse problema vai bater a sua porta, se é que já não bateu.

Digo que irá bater a sua porta, já que a indústria é somente uma das engrenagens que fazem com que a economia gire, porque se a indústria não produz as demais fábricas que dependem desta indústria também não produzem e assim sucessivamente e se a indústria não produz é resultado que o comercio não vende e se o comercio e a indústria não vendem eles demitem e se eles demitem, nós é que vamos ficam sem emprego e sem emprego cada vez mais iremos depender do seguro desemprego e para nosso azar a nossa presidente mexeu nesse nosso direito também.

Assim a bola de neve não para e só vai aumentando dificultando cada vez mais que nosso país saia do buraco e que nós possamos enxergar uma luz no fim do túnel.

quarta-feira, 3 de junho de 2015


Está no jornal A Cidade de hoje que a explanada do Theatro Pedro II e as praças XV de Novembro e Carlos Gomes passarão por reformas e terão um custo aproximado de R$ 700 mil.

O problema não é a reforma, o problema é o que será feito depois.

O depois que eu quero dizer é quem fará a manutenção desses locais, pois não adianta nada reformar e depois não fazer a limpeza a preservação e a manutenção do local.

Por exemplo, quando reformamos, trocamos o piso ou ainda pintamos nossa casa procuramos depois das obras manter nossa casa em ordem para que não precisemos reformá-la novamente e como fazemos isso?

Fazemos varrendo, limpando, usando produtos para a limpeza de nossa casa e dessa maneira conseguimos manter por mais tempo nossa casa em ordem sem que tenhamos que novamente gastar nosso dinheiro com outra reforma.

Temos vários exemplos de praças reformadas e que depois abandonadas, o maior exemplo é a Praça das Bandeiras onde fica a catedral de nossa cidade. Ela foi reforma há pouco tempo e hoje já encontra-se precisando de uma nova reforma, já que não tivemos ninguém cuidando da limpeza e da manutenção do local.

Parece que é mais fácil deixar estragar e gastar muito dinheiro na reforma do que quando tiver alguma problema já resolve-lo. Também não adianta só varrer e as vezes jogar água, algumas vezes será necessário realmente uma limpeza do local do local, com produtos. Se em casa esfregamos e limpamos por que não fazer isso nas praças?

Por tanto não basta apenas reformar tem que manter o local limpo, arrumado, organizado, pois desta maneira as pessoas passaram a utilizar novamente o local e passarão a preservá-lo e a próxima reforma do local irá demorar e consequentemente iremos economizar.

terça-feira, 2 de junho de 2015


Nossa cidade tem um dos preços mais caros nos combustíveis quando comparamos com outras cidades do nosso estado.

Um comparativo com outras cidades do estado de São Paulo mostrou que nossa cidade é uma das cidades onde os combustíveis estão com os preços elevados e os postos de combustíveis possuem uma das maiores margens de lucro. Para que você tenha ideia o preço aqui é até R$ 0,15 mais caro que na capital do estado.

Os postos dizem que sempre trabalham com uma margem pequena de lucro, o que parece não ser verdade se compararmos com o resto do estado.

O que sempre vemos em nossa cidade é uma quarteirização nos preços. Não temos uma competição entre o preço dos combustíveis nos postos, parece que os preços são combinados.

Especialista dizem também que o preço do combustível está no mesmo nível do mercado internacional, só esquecem de dizer que o nosso salário não está no mesmo nível do mercado internacional.

Um dos fatores que eu realmente não entendo é como nós que estamos no meio da cadeia de produção do etanol conseguimos pagar um valor mais elevado se comprarmos com a capital ou outras cidades.

Isso deve acontecer porque quando vamos para a capital ou vamos descer a serra para chegar ao litoral passamos por ima imensidão de plantação de cana-de-açúcar e também passamos por muitas usinas de álcool. Tenho certeza que quando você vai para a capital ou para o litoral não vê nem cana e nem usina lá por perto.

Não da mais pra pagar os elevadíssimos impostos que incidem sobre os combustíveis e também não dá mais para aceitar pagar mais pelo preço do etanol quando comparamos com São Paulo já que estamos no meio da produção.

Talvez pagamos mais caro talvez por sermos considerados a Califórnia brasileira.

terça-feira, 26 de maio de 2015


O governo federal irá cobrar a partir de setembro um novo tributo sobre os lucros dos bancos, até ai tudo bem, o problema é que nós já sabemos de quem os bancos irão cobrar pela diminuição de seus lucros.

Os bancos com certeza irão cobrar de nós correntistas ou você acha que o banco vai arcar com essa conta?

Tenho certeza que essa será mais uma conta que nós teremos que pagar já que hoje não conseguimos fazer nada sem uma conta em um banco.

O governo fala aos quatro cantos que está fazendo um ajuste fiscal e isso eu não vejo realmente ele fazer, vejo só conversa fiada e nada sendo colocado em prática.

Quem realmente está fazendo o ajuste fiscal são as donas de casa e os trabalhadores que com certeza sentem todos os dias o aumento nos alimentos, na luz, nos combustíveis e nos impostos.

A dona de casa hoje vai ao supermercado fazer suas compras e já não compra as mesmas coisas que há um mês e muito menos há um ano, ela tem que rebolar para continuar administrando a casa.

O trabalhador hoje dá graças a Deus por ainda ter seu emprego e no fim do mês acaba se desdobrando para conseguir colocar as contas em dia e ainda colocar comida na mesa, muitas vezes tem que escolher se come ou se paga conta.

O que deveríamos estar vendo é um governo cortando gastos, diminuindo ministérios, fazendo a reforma tributária e principalmente procurando manter os empregos dos trabalhadores, mas o que vemos é o contrário.

Vemos tudo aumentando, vemos o desemprego batendo na porta dos trabalhadores e o aumento cada dívidas dos trabalhadores.

Já chega de pagar a conta deste governo que não se preocupou em fazer a lição de casa e colocar nosso país para frente.

Precisamos de um governo que pense nos mais carentes, porque são essas pessoas que mais necessitam do governo. E a cada dia a lista de pessoas carentes vem aumentando já que muitas conquistas estão sendo jogadas na lata do lixo por este governo que se diz um governo dos trabalhadores. 

Hoje o slogan de campanha da então candidata Dilma deveria ser usado pelos brasileiros, nós é que temos o "coração valente" parta aguentar e suportar tudo isso.

segunda-feira, 25 de maio de 2015


Vimos no jornal hoje pela manhã uma briga entre vizinhos por um motivo relativamente bobo, o motivo da briga foi que um dos vizinhos acabou deixando seu cachorro solto na rua enquanto limpava a frente de sua residência, para seu azar seu vizinho saiu no mesmo momento e seu cachorro acabou indo de encontro ao seu vizinho. O vizinho acabou chutando o cachorro o que fez com que ambos brigassem.

Essa briga poderia facilmente ter sido evitada se o cachorro estivesse preso a sua coleira.

O vizinho atacado não tem o direito de chutar o cachorro, mas o mesmo também não sabe se o cachorro esta indo atacá-lo ou está apenas pretendendo brincar.

Este caso poderia ter um final ainda pior, pois o vizinho que deixou o cachorro solto poderia estar armado e poderia ter atacado o outro vizinho, fazendo com que a briga tivesse um final ainda pior, ou o outro vizinho poderia ter ficado assustado com o cachorro e ter saído correndo, com isso ele poderia tropeçar cair e machucar-se ou pior ainda, poderia enquanto correia ser atropelado já que poderia ter atravessado a rua e não veria os carros devido ao medo do cachorro, causando assim ferimentos graves ou até a sua morte. 

Resumidamente devemos sempre tomar cuidado com nossos animais, pois ele podem sim atacar um pedestre que passa por nossa casa mesmo que a vida toda do cachorro ele tenha se mostrado um cão dócil e calmo.

Nós ainda podemos esquecer nosso animalzinho de estimação para fora de casa e ele pode vir a sumir e depois ficar abandonado pelas ruas, trazendo assim uma tristeza muito grande para a família deste animal que desapareceu.

Devemos manter nossos cachorros na guia quando vamos passear e também não devemos esquecer de levar uma sacola plastica ou algo do gênero para coletar as fezes que os animais fazem pelo caminho.

quarta-feira, 20 de maio de 2015


A noticia que mais vemos em jornais, revistas, sites emeios de comunicação é sobre o tão falado ajuste fiscal.

E ai eu te pergunto quem está realmente fazendo o ajuste fiscal?

Se perguntarmos para os trabalhadores e para as donas de casa iremos ter a mesma resposta e está resposta é: "Quem está fazendo o ajuste fiscal somos nós trabalhadores e donas de casa que temos que nos apertar para pagar as contas e ainda colocar comida na mesa".

Nós não vemos o governo federal fazer a sua parte, só vemos o governo cortar os investimentos da educação, da saúde, da infraestrutura e assim por diante. Para piorar vemos somente a inflação aumentando o preço de tudo e muitos feches de família perderem o seu emprego e para quem tem a sorte de ainda estar empregado, tem que ficar feliz com o aumento no salário que está a baixo da inflação do ano passado, ou seja, nem a reposição salarial está conseguindo, resumidamente o que nós  comprávamos a um ano, hoje não compramos mais.

Com o governo fazendo cortes nos investimentos eu estou na dúvida se aquele dinheiro que viria por meio do PAC para as obras em Ribeirão realmente virá.

Já faz um bom tempo que este investimento foi anunciado e até agora nada das obras saírem do papel.

Não vejo mais ninguém nem tocando no assunto, parece que estão deixando o assunto em banho maria para ver se a população esquece e as obras ficam para um futuro que nunca chega.

Espero que as obras realmente venham para facilitar a vida de nós de Ribeirão Preto e espero que o governo federal comece a dar exemplos de que está fazendo alguma coisa para melhorar a nossa vida porque até agora não vimos nada.

O governo poderia ao invés de cortar investimentos, cortar Ministérios, ali sim teríamos uma economia já que os cargos existentes por lá seriam extintos e o dinheiro gasto nesses ministérios seriam economizados.

E o investimento na saúde, na educação e na infraestrutura continuariam.

OBRAS PREVISTAS
  1. Viaduto na J. Gonçalves com Francisco Junqueira
  2. Passarela entre a rodoviária e o camelódromo
  3. Pontes nas ruas José Bonifácio e Visconde de Inhaúma, sobre o córrego
  4. Túnel entre a Presidente Vargas e a Independência
  5. 279 abrigos padronizados em corredores de ônibus
  6. Dois terminais no centro e 8 mini-terminais em bairros 
  7. 56 km de faixas exclusivas para o transporte público
  8. 30 km de ciclovias integradas ao transporte
  9. Paisagismo ao longo da extensão do corredor

terça-feira, 19 de maio de 2015


Ontem foi o dia nacional do Museu e também estamos na semana dos museus, mas nós aqui de Ribeirão Preto não temos muito que comemorar.

Os dois principais museus de nossa cidade o Museu do café e o Museu Histórico encontram-se praticamente abandonados, os prédios necessitam urgentemente de reforma, além disso, parte do acervo foi roubada sendo necessária a instalação de câmeras para coibir a ação dos vândalos.

Com tudo isso dito eu te pergunto: Quando foi a última vez que você foi a um desses dois museus?

A minha resposta eu posso dizer que com certeza foi há muitos anos, quando ainda era criança e meu pai nos levava para passear nos domingos pela manhã.

E por que desse tempo todo de ausência na visitação aos museus, a resposta novamente tenho certeza que será a mesma que a sua. A resposta é que não tem nada de novo nos museus, aliás, tem sim, o que tem é o abandono e os espaços faltando pelos objetos levados.

Ontem falei sobre prédios abandonados em nossa cidade ( você pode ler aqui sobre este assunto) e um exemplo contrário aos prédios abandonados é o casarão que fica na Rua Tibiriçá, o casarão está praticamente como novo e dará abrigo a um museu, o Museu da Memória Italiana. Tá certo que o museu e o casarão são de propriedades particulares, mas com certeza estão tendo um cuidado e carinho com tudo o que está lá dentro, como o poder publico deveria ter com seus museus.

Portanto, estão aí duas coisas que deveriam andar praticamente de mãos dadas os museus e os antigos casarões de nossa cidade, um dando suporte ao outro e consequentemente mantendo a história de nossa cidade e preservando o nosso passado para que tenhamos um futuro.